O modo de produção flexível e o novo perfil do trabalhador no século XXI

Filosofonet

Por Michel Aires de souza

          No início do seculo XX,  surgiu uma nova dinâmica capitalista, desenvolveu–se a produção em massa, com enormes fábricas, que produziam de tudo, a custo baixo para uma grande massa de consumidores. Era uma época de emprego, aumento de renda, direitos sociais e consumo para a classe trabalhadora. Mas essa dinâmica só se tornou possível a partir de novas estratégias para controlar os trabalhadores e assegurar a produção e o consumo das mercadorias. Novos mecanismos de controle dos trabalhadores foram criados para a maximização da produção e do lucro impulsionado pelo advento da sociedade de massas. O que começou a se difundir foi a teoria de Frederic Taylor, engenheiro norte-americano, conhecido como o pai da administração científica, que procurou racionalizar o controle do tempo e do espaço dentro da fábrica.   Taylor, a partir da observação direta, percebeu, no final do século…

Ver o post original 2.699 mais palavras

Leituras do Cotidiano, por Roberto Da Matta

Estudioso do Brasil, de seus dilemas e de suas contradições bem como de seu potencial e de suas soluções, Roberto da Matta revela o Brasil, o seu povo e a sua cultura através de suas festas populares, manifestações religiosas, literatura e arte, desfiles carnavalescos e paradas militares, leis e regras (quando respeitadas e quando desobedecidas), costumes e esportes. Surge daí um Brasil complexo, que não se submete a uma fórmula ou esquema único. Para Roberto da Matta, o Brasil é tão diversificado como diversificados são os rituais, conjunto de práticas consagradas pelo uso ou pelas normas, a que os brasileiros se entregam.

A utopia brasileira, por Eduardo Giannetti

Economista, filósofo e escritor, Eduardo Giannetti é um dos mais destacados pensadores brasileiros da atualidade. Em entrevista ao UM BRASIL, ele faz uma reflexão sobre o tamanho do Estado brasileiro, o modelo de tributação concentrado em Brasília, os 30 anos da Constituição, o combate à corrupção e as perspectivas para uma renovação da nossa política. Ainda, Giannetti comenta alguns dos principais temas do seu último livro – “Trópicos Utópicos” – e propõe que o Brasil pode se tornar uma alternativa “à falência múltipla do modelo Ocidental”.