Arquivo da categoria: Sociologia

Debate sobre segregação socioespacial e intolerância

Por trás do crescimento das cidades existe uma série de decisões, tomadas tanto pelo poder público como pela comunidade, que afetam diretamente no desenvolvimento do espaço urbano. Nesta edição do Nuevo Debate da UFPR TV, a professora Silvana Marta Tumelero, do curso de Serviço Social da UFPR Litoral, fala sobre segregação socioespacial e intolerância.

Videoaula sobre Émile Durkheim – Solidariedade mecânica e orgânica

Nesta videoaula de Sociologia, são apresentadas as teses de Émile Durkheim, importantíssimo pensador no campo das Ciências Sociais, abordando a temática da Divisão do Trabalho Social e as formas de solidariedade social.

Videoaula sobre Émile Durkheim – O fato social

Texto do Professor Anderson Pinho (Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=2rVhmTzVzZA) Durkheim acreditava que os acontecimentos sociais – como os crimes, os suicídios, a família, a escola, as leis – poderiam ser observados como coisas (objetos), pois assim, seria mais fácil de estudá-los. Então o que ele fez? Propôs algumas das regras que identificam que tipo de fenômeno poderia ser estudado pela Sociologia. A esses fenômenos que poderiam ser estudados por uma ciência da sociedade ele denominou de fatos sociais. Assim, a teoria dos fatos sociais é o ponto de partida dos estudos de Durkheim. Entendendo-os como “maneiras de agir, de pensar e de sentir exteriores ao indivíduo, dotados de um poder de coerção em virtude do qual se lhe impõem”, podemos traçar três características que distinguem os fatos sociais: 1 – A coerção social que é a força que os fatos sociais exercem sobre os indivíduos e que os levam a conformar-se às regras da sociedade em que vivem, independentemente de sua escolha ou vontade. 2 – A exterioridade dos fatos sociais que existem e atuam sobre os indivíduos independentemente de sua vontade ou de sua adesão. As regras sociais, os costumes e as leis já existem antes dos indivíduos e independentemente deles. 3 – A generalidade quer dizer que todo fato social é geral, pois se aplica a todos os indivíduos ou à maioria deles. Na generalidade encontra-se a natureza coletiva dos fatos sociais, seu estado comum ao grupo.

Videoaula sobre Karl Marx

Texto do Professor Anderson Pinho (Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=HGwBJ-GY2rU&feature=emb_logo) Karl Marx nasceu em Trier, em 15 de maio de 1818, filho de Heinrich, advogado, e de Henriette Pressburg, dona de casa. O pai e a mãe de Marx eram de origem judaica. Em 15 de abril de 1841 laureou-se em filosofia, em Berlim, com a tese intitulada Diferença entre a filosofia da natureza de Demócrito e a de Epicuro. Após o caminho universitário, Marx passou ao jornalismo, tornando-se redator da “Gazeta Renana”, órgão dos burgueses radicais da Renânia. Em pouco tempo, Marx tornou-se redator-chefe do jornal. Entretanto, em 21 de janeiro de 1843, o jornal foi oficialmente interditado. Nesse período, Marx estudou Feuerbach, e ficou entusiasmado. No verão de 1843, escreveu a Crítica do direito público de Hegel, cuja introdução foi publicada em Paris, em 1844, nos “Anais franco-alemães”, fundados por Ruge, que convidou Marx para ser co-diretor. Em Paris, Marx entrou em contato com Proudhon e Blanc, encontrou Heine e Bakunin e, sobretudo, conheceu Friedrich Engels, que seria seu amigo e colaborador por toda a vida. De 1844 são seus Manuscritos econômico- filosóficos (publicados em 1932). Nesse meio tempo, colaborou com o “Avante”, jornal dos artesãos comunistas, difundido na Alemanha. E precisamente por essa colaboração pagaria o preço de ser expulso da França (11 de janeiro de 1845). Nesse tempo, amadurecia seu afastamento da esquerda hegeliana. Em 1845 escreveu A sagrada família, trabalho em colaboração com Engels e dirigido contra os hegelianos de esquerda. Ainda contra eles, Marx e Engels escreveram em Bruxelas (onde Marx se havia refugiado depois de sua expulsão da França) A ideologia alemã. As teses sobre Feuerbach remontam a 1845 (mas Engels só as tornou públicas em 1888), ao passo que A miséria da filosofia, resposta a Filosofia da miséria de Proudhon é de 1847, escrito no qual Marx ataca o “socialismo utópico” em nome do “socialismo cientifico”. Marx permaneceu na Bélgica até 1848. E foi em janeiro de 1848 que ele ditou, juntamente com Engels, o famoso Manifesto do partido comunista, a pedido da “Liga dos comunistas”. Desencadeado o movimento de 1848, Marx voltou por breve período a Colônia, onde fundou a “Nova Gazeta Renana”, que, porém, foi obrigada quase que imediatamente a suspender suas publicações. De Colônia voltou para Paris, mas, tendo-lhe sido proibida a permanência na capital francesa, Marx partiu para a Inglaterra, lá chegando em 24 de agosto de 1849. Na Inglaterra, Marx se estabeleceu em Londres, onde, entre dificuldades de toda sorte, conseguiu, com a ajuda financeira do seu amigo Engels, levar a bom termo todas aquelas pesquisas de economia, história, sociologia e política que constituem a base de O Capital, cujo primeiro volume saiu em 1867, ao passo que os outros dois foram publicados postumamente por Engels, respectivamente em 1885 e em 1894. Em 1859, saíra sua outra obra fundamental, a Crítica da economia política. Empenhado na atividade de organização do movimento operário, Marx conseguiu fundar em 1864, em Londres, a “associação internacional dos trabalhadores” (a Primeira Internacional), que, depois de vários contrastes e peripécias, dissolveu-se em 1872 (ainda que, oficialmente, sua dissolução só tenha sido decretada em 1876). A última década da vida de Marx também foi período de intenso trabalho. Em 1875 publicou a Crítica ao programa de Gotha, tomando como alvo as doutrinas de Lassalle. Mas, mais do que qualquer outra coisa, trabalhou em O Capital. Ele morreu em 14 de março de 1883, sendo sepultado três dias depois no cemitério londrino de Highgate.

Videoaula sobre Max Weber – Legitimidade e dominação

Para Weber, todas as nossas relações são políticas. Sim! Todas elas envolvem poder. E sim, todos nos passamos por processos de dominação. É isso que é discutido no vídeo abaixo.

Videoaula sobre Émile Durkheim

Nesta aula, é apresentado o pensamento de um dos fundadores da Sociologia, o positivista francês Émile Durkheim.